Programa da Paróquia

sexta-feira, 24 de setembro de 2021

«Quem não é contra nós é por nós»

26 de setembro de 2021 | 26º domingo do tempo comum
Leituras | Lectio (áudio) | Lectio (texto) | Comentário | Avisos | Boletim


Num tempo em que somos tantas vezes confrontados com fundamentalismos, e não apenas no âmbito do religioso, a atitude de Jesus faz-nos de novo, e sempre, perceber como o caminho para a verdade plena se encontra na partilha, no esforço da unidade na diversidade.

A tentação dos discípulos que tentam impedir aqueles que "não estão connosco" não é apenas daqueles tempos: é a tentação constante do isolamento nas áreas de segurança e conforto que facilmente culpabiliza o que é estranho... Nestes tempos, como nos de Jesus, é preciso relançar sempre o espaço do encontro, da partilha, do vencer das barreiras que se levantam perante o que é estranho ou diferente. É preciso lançar-se sempre na busca da verdade mais plena, em que o primeiro esforço é o pessoal de "cortar" o que está a mais e distorce o olhar e a ação, e buscar sobretudo uma coerência de vida que seja capaz de lançar para a Verdade plena que se encontra apenas em Deus.

segunda-feira, 13 de setembro de 2021

A caminho do Crisma


No domingo 12 de setembro, aos 26 jovens da Paróquia da Calvaria, juntaram-se os 5 jovens da paróquia de Aljubarrota que vão viver em conjunto a celebração do Crisma, para passar um dia em reflexão, oração, partilha e convívio. O dia começou com um momento de oração na igreja de São Jorge, e onde tiveram uma primeira atividade de lançamento do dia. Em pequenos grupos, fizeram a caminhada a pé até à Quinta do Escuteiro, com quatro postos que, a partir dos seus símbolos, ajudaram a refletir sobre a pessoa do Espírito Santo, o dom de Deus que acolhem no sacramento do Crisma.

Já na Quinta do Escuteiro, a tarde deu a oportunidade que aprofundar o sentido da celebração deste sacramento da Confirmação, e de compreender os dons com que o Espírito Santo nos ajuda a viver a vida de cada dia, iluminando o nosso pensamento, orientando o nosso coração, fortalecendo a nossa vontade para agirmos de acordo com a fé, no seguimento de Jesus. Depois de um tempo de oração pessoal, fizeram a preparação para a celebração da Eucaristia com que concluiu este dia de "retiro". A preparação continua nos próximos sábados. A celebração do Crisma será a 26 de setembro, domingo, às 17h, na igreja do Mosteiro da Batalha, dadas as limitações de espaço da igreja paroquial da Calvaria.

Seguir Jesus num caminho de serviço

19 de setembro de 2021 | 25º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Lectio (áudio) | Lectio (texto) | Comentário | Avisos | Boletim

No texto do Evangelho deste domingo, começamos por acompanhar a caminhada de Jesus e dos seus discípulos através da Galileia. Jesus prepara-os para o que irá acontecer em Jerusalém, anunciando-lhes que vai ser entregue, morto e que ressuscitará ao terceiro dia. Eles não compreendem, como não o tinha compreendido anteriormente Pedro, da primeira vez que Jesus lhes falara da sua paixão (Mc 8, 31-33), ou os três discípulos que desciam do monte da transfiguração e se perguntavam «o que seria ressuscitar dos mortos» (Mc 9, 10). A sua ideia e expetativa em relação ao Messias ainda estava longe da lógica proposta por Jesus. Por isso, o caminho é feito com o «medo» de interrogar Jesus, e preenchido com questões mais conformes às suas próprias expetativas de um reino à maneira do mundo que conheciam: Quem de nós será o mais importante? Quem ocupará os primeiros lugares?

Será depois, em casa, já num espaço mais íntimo, que Jesus os questiona: «Que discutíeis no caminho?» Não insiste nem os obriga a responder… Mas, deixando a questão permanecer em aberto, apresenta-lhes a sua proposta que lança para uma nova forma de pensar e viver. Para Jesus, o primeiro, o mais importante, «será o último de todos e o servo de todos». Ou seja, «quem quiser ser grande, sirva os outros e não se sirva dos outros. E este é o grande paradoxo de Jesus. Os discípulos discutiam sobre quem deveria ocupar o lugar mais importante, quem subiria mais rapidamente, ocupando os cargos que dariam certas vantagens. E Jesus transtorna a sua lógica, dizendo-lhes simplesmente que a vida autêntica se vive no compromisso concreto com o próximo, isto é, servindo» (Papa Francisco, homilia da Missa em Havana, Cuba, 20 setembro 2015).

O gesto que se segue clarifica as palavras: uma criança é colocada ao centro e abraçada. No centro deste serviço está a pessoa concreta, de modo particular os mais frágeis. O serviço, o cuidar do outro por amor «não se reduz a uma atitude de servilismo mas, pelo contrário, põe no centro a questão do irmão: o serviço fixa sempre o rosto do irmão, toca a sua carne, sente a sua proximidade e em alguns casos até a “sofre”, e procura a promoção do irmão» (Idem). Para o cristão, o segredo está nesse olhar de quem vê nos outros, e sobretudo nos mais “pequeninos”, o rosto de Jesus que conduz ao Pai.

quinta-feira, 9 de setembro de 2021

«E vós, quem dizeis que Eu sou?»

12 de setembro de 2021 | 24º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Lectio (áudio) | Lectio (texto) | Comentário | Avisos | Boletim


O texto do Evangelho põe-nos diante da pergunta de Jesus: «E vós, quem dizeis que Eu sou?» Jesus faz-nos a pergunta essencial: Quem é Ele para nós? Dependendo da resposta, assim será a nossa relação com Ele.

O desafio da fé passa por este olhar que Pedro conseguiu ter: um olhar profundo que vê para além das aparências e reconhece em Jesus Cristo o verdadeiro Deus, o Messias. Acolher Jesus como o nosso salvador implica também a descoberta da sua missão de nos revelar a nossa própria identidade de pessoas humanas: seguir Jesus é o caminho da nossa própria felicidade. Um caminho que é feito de confiança em Deus e entrega aos homens. Um caminho que é feito na certeza de que a cruz é caminho para a ressurreição.

Pedro só irá entender depois... Apesar do seu olhar, ainda está preso à compreensão das coisas dos homens e não de Deus. Espera talvez um outro Messias. Só o seguimento até ao fim o fará percorrer, com Jesus, o caminho da cruz para a ressurreição.

sexta-feira, 3 de setembro de 2021

Inscrições e início da Catequese Paroquial

As inscrições para a catequese vão decorrer nos dias 17 e 18 de setembro, nos centros de catequese da Calvaria e de São Jorge. Na sexta-feira, dia 17, serão das 19h às 21h. No sábado, dia 18, das 15h às 17h. Todas as crianças que se inscrevem pela primeira vez, assim como todos os que renovam a sua inscrição para todos os outros grupos da infância e adolescência, deverão fazê-lo nestes dias.

Para que se possam confirmar todos os dados, deverão fazer-se acompanhar do Cartão de Cidadão, da Cédula de Vida Cristã, e ir prevenidos para o pagamento da inscrição e seguro (2,50€) e do catecismo (dependendo dos anos, entre 5,00€ e 7,00€; 6º ano + 8,00€ para os materiais das Catequeses da Fé).

Os encontros dos grupos de catequese da infância e adolescência iniciam a partir do dia 6 de outubro. Nas celebrações de 2 e 3 de outubro haverá a apresentação e compromisso dos Catequistas.

«Efatá!» - Abre-te

05 de setembro de 2021 | Domingo 23º do Tempo Comum
Leituras | Lectio (áudio) | Lectio (texto) | Comentário | Avisos | Boletim


Ao contar a cura do "surdo que mal podia falar" (Mc 7, 31-37), Marcos descreve toda a ação de Jesus, cheia de gestos significativos, e apenas uma palavra: "Efatá" que quer dizer "abre-te". Todo o momento "sacramental", em que a palavra acompanha os gestos, para fazerem acontecer, pela ação de Deus, aquilo que significam: os ouvidos daquele homem abrem-se para escutar as palavras e a Palavra (o Verbo de Deus - Jesus Cristo), e a sua língua sai da prisão em que estava para poder falar corretamente. Aquele homem, fechado à comunicação, torna-se um homem novo pelo encontro com Jesus Cristo que o abre à relação com os outros e com Deus.

O encontro com Jesus é marcado por esta abertura à relação. A pessoa que se redescobre na sua identidade essencial de comunhão, à imagem do Deus de Amor. Um encontro que faz sair de si mesmo, estar atento e escutar os outros e o próprio Deus, estar disponível para partilhar e dialogar, para anunciar, para juntar a sua voz à da comunidade que proclama, como aqueles que viram o milagre: "tudo o que faz é admirável".

No Batismo, um dos gestos (que passa muitas vezes despercebido) é precisamente este do rito do "Efatá" que é acompanhado pela oração: «O Senhor Jesus, que fez ouvir os surdos e falar os mudos, te dê a graça de, em breve, poderes ouvir a sua palavra e professar a fé, para louvor e glória de Deus Pai». É esta a vocação do batizado: escutar a palavra e professar a fé. Estar aberto à relação, comunhão e partilha de vida.

sexta-feira, 27 de agosto de 2021

Mais importante que as tradições, o mandamento de Deus

29 de agosto de 2021 | Domingo 22º do Tempo Comum
Leituras | Lectio (áudio) | Lectio (texto) | Comentário | Avisos | Boletim

Perante a acusação de que alguns dos seus discípulos não seguiam as tradições, Jesus oferece um novo olhar sobre a lei. Denuncia a atitude daqueles que fizeram do cumprimento externo e superficial da “lei” um valor absoluto, esquecendo que a “lei” é apenas um caminho para chegar a um compromisso efetivo com o projeto de Deus. E é nesta adesão da fé, na relação de confiança absoluta em Deus, que se compreendem as consequências morais para a vida. Na perspetiva de Jesus, a verdadeira religião não se centra no cumprimento formal das “leis”, mas num processo de conversão que leve o homem à comunhão com Deus e a viver numa real partilha de amor com os irmãos. É na adesão que se deixa o coração aproximar do coração de Deus para que dele saiam as atitudes que exprimem o mesmo amor que se recebe de Deus.

A lei de Deus está inscrita no nosso coração, conhecemos a sua vontade, sabemos muito bem o que agrada a Deus. E bem sabemos que o seu primeiro mandamento é o do Amor. Cabe-nos a nós deixar que o viver de acordo com essa vontade, o cumprimento dessa “lei”, seja um caminho de encontro, de amizade, de fidelidade ao Amor de Deus.