Programa da Paróquia

terça-feira, 12 de novembro de 2019

Perseverança na esperança

17 de novembro de 2019 | 33º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

A destruição do templo e da cidade de Jerusalém (anunciado neste texto do Evangelho, e que aconteceu no ano 70 da era cristã) não é sinal do fim do mundo, nem os terramotos ou guerras, nem as perseguições. Não é o medo mas a esperança que Jesus anuncia! A Igreja vai passar por tempos difíceis, na história haverá calamidades incompreensíveis... No entanto, não é para a destruição que caminhamos, mas para a vida, e a vida em plenitude!

Não sigamos os falsos profetas que nos querem conquistar pelo medo, não nos deixemos dominar por quem nos quer traçar um destino escrito de antemão: na liberdade e no amor, caminhamos para Deus, fonte de esperança, para quem valemos tanto que nem um só cabelo da cabeça se perderá!

Enquanto Igreja, caminhamos na esperança e, neste mundo concreto, somos convidados a abraçar o projeto de testemunhar o Reino que pode crescer em nós e por nós. Perseverança, é a palavra que marca a presença cristã, de quem olha e trabalha o mundo com esperança.

sexta-feira, 8 de novembro de 2019

Oração para a Semana dos Seminários

Senhor Jesus Cristo, fonte de vida nova,
Tu que não olhas ao que somos
mas ao que podemos chegar a ser,
abre caminhos de construção do Reino,
ajudando-nos a ser mansos e humildes de coração.

Tu que vives e revelas o imenso amor do Pai,
nós te pedimos que continues
a despertar o coração dos jovens
para que aceitem o desafio de Te seguir,
caminhando em liberdade, sem medos e resistências,
e, animados pelo Espírito Santo,
se lancem as redes para a pesca.

Por intercessão da Virgem Maria e de São José,
nós Te pedimos pelos Seminários, pelos seminaristas
e por todos os jovens a quem chamas e envias.
 Faz que neles brotem sinais de esperança,
sementes de entrega e verdadeiro serviço.

Concede-nos, pela graça do batismo,
o dom da escuta da Tua voz e da resposta generosa,
colaborando na edificação do Reino de Deus.

Ámen.

Curso de Iniciação Bíblica na Batalha

Com início na próxima quinta-feira, dia 14 de novembro, vai decorrer, na paróquia da Batalha um curso de iniciação à Bíblia, às 21h às 22h30, no Centro Paroquial, orientado pelo Frei Manuel Antunes. Destina-se a todos os que desejarem aprofundar o seu conhecimento sobre a Sagrada Escritura, das paróquias da Batalha e da vigararia.

Nesse dia serão combinados os dias e horários dos restantes encontros. As inscrições podem ser feitas no Cartório ou diretamente para: 244 765 140, ou batalha@leiria-fatima.pt

Um Deus de vivos

10 de novembro de 2019 | 32º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

Na discussão com os saduceus, Jesus afirma a centralidade da fé no «Deus de vivos» que garante a ressurreição como a esperança que ilumina a vida cristã.

De facto, a ressurreição é a esperança que dá sentido a toda a caminhada de quem se propõe seguir Jesus. A fé cristã torna a esperança da ressurreição uma certeza absoluta, pois Cristo ressuscitou e quem se identifica com Cristo nascerá com Ele para a vida nova e definitiva.

Mas a certeza da ressurreição não pode ser apenas uma realidade que esperamos para o futuro. Ela é uma realidade que influencia, desde já, a nossa existência terrena: é o horizonte da ressurreição que deve marcar as nossas opções, os nossos valores, as nossas atitudes. É a certeza da ressurreição que nos dá a coragem de enfrentar as forças da morte que dominam o mundo, de forma a que o novo céu e a nova terra que nos esperam comecem a desenhar-se desde já.

sábado, 2 de novembro de 2019

Caminhada de São Martinho

Uma iniciativa da Comissão da Festa em honra de Santa Marta de 2020, agendada para 10 de novembro: caminha e almoço, ou só almoço, toda a informação está no cartaz!


Nascidos em 1944 convidam para Festa

24 de novembro, último domingo do ano litúrgico no qual a Igreja celebra a Festa de Jesus Cristo Rei do Universo, foi o dia escolhido para a celebração festiva dos que completam 75 anos neste ano de 2019, dedicando a festa ao Sagrado Coração de Jesus, e convidam toda a população a celebrar em conjunto com eles.


Deixar-se olhar por Jesus que passa...

3 de novembro de 2019 | 31º Domingo do tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

A história de Zaqueu é uma história de olhares. O olhar de Zaqueu, que quer ver Jesus, e por isso não deixa que a sua pequenez o impossibilite de olhar Aquele que procura: é um olhar de busca, de vontade de se reencontrar no encontro com Jesus.

Depois, o olhar de Jesus, um olhar que identifica, acolhe e compromete, um olhar que faz compreender a vontade que Deus tem de se fazer próximo de cada um, de habitar a casa de cada um.

E o olhar da multidão, que conserva a história de Zaqueu e é incapaz de perceber que também ele é chamado à salvação.

Em Jesus revela-se o olhar de Deus sobre a humanidade. Perante o homem que busca, Ele olha com a vontade de fazer chagar a cada um a certeza do amor que chama pelo nome, que acolhe cada um na sua situação, e lhe abre, no perdão, a possibilidade de um novo rumo. Como Zaqueu, deixarmo-nos olhar por Jesus. Com Jesus, aprender a olhar os outros. Com a multidão, perceber o quanto fechamos o nosso olhar à misericórdia e ao perdão...

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

Dar espaço para a misericórdia de Deus

27 de outubro de 2019 | 30º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

Para alguns que se consideravam justos e desprezavam os outros, Jesus conta a parábola do fariseu e do publicano. O primeiro, sem dúvida um homem recto, que faz tudo bem feito, que faz da sua oração o sumário das suas boas ações. o segundo que tem a humildade de reconhecer a sua condição de pecador diante de Deus... O primeiro que não tem necessidade de Deus, porque se basta a si mesmo nas suas qualidades. O segundo que percebe o quanto precisa de acolher o amor e o perdão de Deus.

Mas não esqueçamos o início: para os que se consideram justos e desprezam os outros, Jesus diz, com esta história, que a oração, a relação com Deus, não se faz sem uma atitude de um olhar misericordioso também para com o outro. E que Deus, que é o cento da parábola, tem um olhar de misericórdia, capaz de justificar quem se quer deixar justificar por Ele. Humildes diante de Deus, pois é sempre Ele quem nos dá a salvação, aprendemos também a humildade com os outros, com quem vamos procurando acertar no caminho a percorrer.

sexta-feira, 18 de outubro de 2019

"Jesus e o amigo"

Ao entrar na igreja paroquial da Calvaria, por cima do sacrário, encontramos agora um quadro... Não é muito grande, mas no lugar em que está não passa despercebida. Fica o convite a aproximares-te para olhares para este ícone que o Sr. Bispo entregou a cada paróquia, no início deste segundo ano do biénio pastoral dedicado aos jovens.

É uma imagem que se encontra também em Taizè, uma comunidade ecuménica, em França, onde todos os anos se reúnem muitos jovens para passar uma semana com os Irmãos, participando nos trabalhos da Comunidade e nos seus espaços de oração. Foi também de lá que veio o conjunto de cerâmica azul (cálice, patena, galhetas...) que temos usado nas celebrações ao domingo.

Para saberes um pouco mais sobre o sentido desse ícone de "Jesus e o amigo", deixo as palavras do Bispo na sua recente mensagem aos jovens:

«Juntamente com esta mensagem entrego também um ícone, ou seja, um quadro, que segundo a tradição cristã oriental é sinal de que Deus está presente a nós e nos transmite uma mensagem. Ofereço este ícone a cada paróquia. É conhecido como o ícone de “Jesus e o amigo”, ou “ícone da amizade” ou ainda “ícone do abraço”. Nele está representado Jesus a abraçar alguém, como que a indicar-lhe o caminho, inspirando-lhe confiança para seguir a vida com fé e determinação. Gostaria que este ícone ficasse na tua igreja paroquial num lugar de destaque, ao longo deste ano.»

Rezar sem desanimar

20 de outubro de 2019 | 29º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

Jesus parte de uma parábola de um juiz iníquo que, para deixar de ser «atormentado» pela viúva, se prontifica a ouvir os seus pedidos... Uma parábola sobre a «necessidade de orar sempre, sem cessar», diz o início do texto. Se um tal juiz faz a vontade da viúva, conclui Jesus, «Deus não havia de fazer justiça aos seus eleitos, que por Ele clamam dia e noite?»

O realce é posto na «justiça», não segundo uma lógica humana, mas na lógica divida: a justiça de Deus revela-se no seu amor, Deus é justo quando a sua ação é ajustada ao seu ser, é justo quando ama. E o mais alto grau da justiça de Deus é o perdão, porque aí se manifesta totalmente gratuito...

Orar sem cessar para, aí, no encontro com Deus, compreender cada vez mais a sua justiça, a sua capacidade de amar e perdoar... Esses, os «eleitos», rezam sem cessar: "Dá-me o teu amor, o teu Espírito Santo, para que Ele ajuste toda a minha vida ao teu amor... Perdoa os meus pecados!». E esta oração, Deus atende-a sem tardar...

sábado, 12 de outubro de 2019

Acolher e agradecer a presença de Deus

13 de outubro de 2019 | 28º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

É Jesus quem nos pode restituir a beleza da vida: Ele, que cura os dez leprosos, é quem tem a capacidade de nos purificar das nossas «lepras» - se o caminho de uma vida bela, bem vivida, feliz e cheia de sentido, é fruto das nossas opções pessoais, não deixa de ser também um dom a pedir constantemente: «Jesus, Mestre, tem compaixão de nós», pediram os leprosos. A mesma oração confiante podemos e devemos nós mesmo fazer. A «cura» é um dom gratuito de Deus que pega na nossa vida e a enche da sua graça, para que ela, de facto, tenha graça ao ser vivida.

O caminho da fé é feito de acolhimento e de agradecimento: é parte da «boa educação» saber agradecer, agradecer porque a vida é feita na relação, e o que somos e temos é fruto de um esforço conjunto em que tanto recebemos dos outros, e tanto recebemos de Deus! Sabermos olhar, com verdade, para o que somos e temos, e sermos agradecidos pelos dons que em cada dia, enchem a nossa vida de «pequenos nadas» que a tornam bela. O texto do Evangelho é também um convite a educar o olhar para ver o belo e agradecer por isso. E quando temos um olhar capaz de ver as «curas», o belo que nos rodeia, quando somos agradecidos, a vida ganha cada vez mais «graça»!

sexta-feira, 4 de outubro de 2019

«Aumenta a nossa fé...»

6 de outubro de 2019 | 27º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

No caminho para Jerusalém, Jesus vai apresentando as exigências do caminho: ser seu discípulo implica a vida toda, implica ter em primeiro lugar o "Reino"... Disso nos foram falando os textos do Evangelho dos últimos domingos. Perante tudo isso, os Apóstolos dizem a Jesus: «Aumenta a nossa fé». A reação normal: para aderir ao projeto do "Reino" anunciado por Jesus é preciso estar de «alma e coração», e isso só acontece quando se ama de verdade - a "fé" que os Apóstolos pedem é esta adesão, este amor, este confiar-se totalmente, o lançar-se nos braços de Deus, capaz de tudo (como recorda a amoreira...).

Aumentar a fé, é aumentar o amor: «Só o Amor é digno de fé»... E no amor não há domínio sobre o outro, mas a humildade de quem recebe e se dá, como um "servo inútil" que faz o que deve fazer, não para se elevar a si mesmo, mas para que Deus se faça presente no mundo.

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

O que vemos neste quadro?

29 de setembro de 2019 | 26º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim


Lázaro: o nome significa «Deus socorre», e é o único personagem de uma parábola de Jesus que tem nome... Em contraste com o rico que é apenas «o rico» que, na sua riqueza, permanece de olhos fechados àquele que tem apenas a atenção dos cães que lhe vêm lamber as chagas. Ao dar-lhe nome, Jesus diz-nos que para Ele, e para o Pai, aquele pobre não passa despercebido: Jesus vem compensar o olhar vazio e anónimo do rico, na sua atenção preferencial para com os últimos.

E é este mesmo olhar que nos convida a ter: um olhar que não deixa o outro, com a sua realidade e necessidade, na indiferença. É verdade que facilmente nos concentrarmos no banquete em primeiro plano, mas lá a trás está alguém por terra...

sábado, 21 de setembro de 2019

Programação do ano 2019+20

Na próxima sexta-feira, dia 27 de setembro, às 21h15, no Centro Pastoral da Calvaria, haverá um encontro para ultimar a programação do ano pastoral 2019+20, e acertar entre todos o calendário das atividades da Paróquia para o ano pastoral que agora se inicia.

Este encontro é destinado ao Conselho Económico Paroquial, Comissões das Igrejas dos Casais de Matos, Casal do Relvas e São Jorge, Secretariado Paroquial da Catequese, Animadores dos Grupos de Jovens da Calvaria e São Jorge, Responsáveis dos diversos Grupos Litúrgicos, Ministros Extraordinários da Comunhão, Direção da Conferência São Vicente de Paulo, Zeladoras da Associação da Sagrada Família, e a Comissão da Festa de Santa Marta de 2020.

Depois, no dia 2 de outubro, quarta-feira, às 21h30, propõe-se um encontro com as diversas Associações e Coletividades (de Serviço Social, Culturais, Recreativas, Desportivas, etc.) da área da Paróquia da Calvaria, para partilha de programas e eventuais ajustes de calendário entre todos.

Discernir e agir... com gestos de conversão

22 de setembro de 2019 | 25º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

A ambiguidade do dinheiro e a sua capacidade de perverter o coração do homem aparece na parábola em que Jesus apresenta como modelo o "administrador desonesto": modelo, obviamente, não pela sua desonestidade, mas porque, no momento em que é demitido, agiu com esperteza. No coração desta página evangélica está a decisão radical a que o homem é chamado para entrar no Reino de Deus. Esta decisão exige qualidades que são exemplificadas no administrador que reagiu de forma decidida quando a sua má-gestão foi descoberta.

No momento de crise, o administrador demonstra "poder de encaixe", de aceitação da realidade, da nova situação que ele próprio criara (“Que farei, pois o meu senhor vai tirar-me a administração?"). Reconhece os seus limites, as suas incapacidades e impotências (“cavar não posso; de mendigar tenho vergonha”). Reconhece a necessidade de decidir, de fazer escolhas, preparando o que se seguirá: e age de acordo com o que lhe perspetiva um futuro bom. A exemplaridade deste homem corrupto não está, portanto, em agir sem escrúpulos, mas em discernir de forma realista a situação crítica em que se encontra e em saber reagir a essa situação.

A questão de Jesus, no entanto, diz respeito aos "filhos da luz": como é que perante a questão essencial da vida, a construção do Reino na e com a sua vida, não sabem discernir a hora, a proximidade do Reino e reagir de imediato com gestos de conversão, essenciais à salvação?

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

Encontro de preparação para o Crisma

Os jovens que se preparam para a celebração do sacramento da Confirmação, no próximo dia 29 de setembro, tiveram este domingo, da 15, a sua atividade/retiro. Um dia para "sair" dos programas habituais e procurar refletir, compreender, partilhar, rezar e celebrar o grande momento que se aproxima.

Depois da oração e lançamento do dia, na Capela de São Jorge, fizeram uma caminhada até à Quinta do Escuteiro, durante a qual foram convidados a conhecer um pouco melhor Aquele que vão acolher, o Espírito Santo, partindo de alguns dos símbolos de dEle nos falam. Depois do almoço partilhado, procuraram descobrir os dons do Espírito que vão receber, assim como a importância da celebração deste Sacramento. Um tempo de reflexão pessoal, e a preparação da Eucaristia concluíram a tarde antes da chegada dos pais para o lanche e a celebração da Eucaristia na Capela da Quinta do Escuteiro.

A preparação próxima para a celebração do Crisma continua no próximo sábado, dia 21 de setembro, com a celebração penitencial e confissões, às 10h, e no sábado seguinte, dia 28, às 14h30, um último encontro de ensaio e preparação da celebração, na igreja paroquial da Calvaria.

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Inscrições e início da Catequese

As inscrições para a catequese vão decorrer nos dias 20 e 21 de setembro, nos centros de catequese da Calvaria e de São Jorge. Na sexta-feira, dia 20, serão, na Calvaria, das 17h às 22h, e em São Jorge das 21h às 22h30. No sábado, dia 21, nos dois centros, das 15h às 17h.

Todas as crianças que se inscrevem pela primeira vez, assim como todos os outros que renovam a sua inscrição, deverão fazê-lo nestes dias. No momento da inscrição será entregue às famílias o programa do ano. Deverão adquirir nesse momento o catecismo, assim como dar o contributo de 2,50€ para as despesas da catequese, o que inclui um seguro de responsabilidade civil para os catequizandos.

Para confirmar todos os dados, deverão fazer-se acompanhar da cédula de vida cristã e do cartão de cidadão.

Os encontros dos grupos de catequese da infância e adolescência iniciam depois, com a primeira reunião a partir do dia da apresentação e compromisso dos catequistas. Esta celebração, que marca o início das atividades da catequese, será no dia 5 outubro, na missa vespertina, em São Jorge, às 19h; e no domingo, dia 6, na missa das 11h, na igreja paroquial da Calvaria.

Até nos encontrar…

15 de setembro de 2019 | 24º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

A «parábola da misericórdia», do capítulo 15 do Evangelho de Lucas, nas suas três breves histórias, deixa sempre o espaço para novas compreensões... Olhar um pastor que procura a ovelha «até a encontrar», uma mulher que procura a dracma «até a encontrar», um pai que espera o filho até ele voltar. E sempre a festa do encontro ou reencontro: da ovelha longe; da dracma, bem perto, em casa; do filho que foi e daquele que ficou. E depois a afirmação de Jesus: «assim haverá alegria entre os Anjos de Deus por um só pecador que se arrepende...»

Três pequenas histórias que nos põem diante de um Deus que não desiste nunca, de um Pai de braços abertos, pronto para o abraço, de um Amor maior que tudo o que possa ter levado ao afastamento. É neste Deus-amor que Jesus nos convida a confiar.

sexta-feira, 6 de setembro de 2019

Celebração do Crisma na Calvaria

A celebração do Crisma na paróquia da Calvaria será no dia 29 de setembro, domingo, às 17h. Os jovens que completaram o 10º ano de catequese este ano, assim como o grupo dos adultos que fez a caminhada catequética ao longo do passado ano pastoral, terão, no mês de setembro, uma preparação próxima, com encontros nos dias 14, 15, 21 e 28 de setembro. Para os pais e padrinhos haverá um encontro de preparação na terça-feira, dia 10 de setembro, às 21h15, no Centro Pastoral da Calvaria.

São estas as datas da preparação próxima para o Crisma:
10 de setembro, terça-feira: 21h15 - Reunião de pais e padrinhos
14 de setembro, sábado: 14h30 - Encontro/ensaio para a celebração
15 de setembro, domingo: 09h00 - Atividade/Retiro dos Crismandos
21 de setembro, sábado: 10h00 - Celebração com Confissões
28 de setembro, sábado: 14h30 - Encontro/ensaio para a celebração
29 de setembro, domingo: 17h00 - Celebração Crisma

Crisma de adultos
A partir de outubro deste ano de 2019, irá começar, na paróquia da Calvaria, um novo percurso de preparação de adultos para o Crisma. Destinado a maiores de 18 anos, da paróquia da Calvaria ou de outras paróquias da vigararia da Batalha, terá cerca de 20 encontros, aos domingos de manhã, pelas 9h30, habitualmente a um ritmo quinzenal, no centro pastoral da Calvaria. Para além dos jovens e adultos que querem preparar-se para celebrar o Crisma no ano de 2020, esta proposta está aberta a outros adultos que desejarem fazer, durante um ano, um percurso de aprofundamento da fé. As inscrições decorrem até meados do mês de outubro, no cartório paroquial.

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

O que é prioritário na minha vida?

8 de setembro de 2019 | 23º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

Seguir Jesus não se trata apenas de acolher umas «palavras bonitas»... Jesus, ao ver a multidão que O segue, fala das exigências de uma vida que opta decididamente pelo «Reino»: mais que os interesses familiares (preferir ao pai, à mãe....), mais que os interesses pessoais (tomar a cruz), mais que o acumular de riquezas (renunciar aos bens), a opção por seguir, em liberdade, no concreto da vida, as exigências do Evangelho com todas as suas consequências, capaz de ir (tantas vezes...) contra a corrente...

O que é prioritário na minha vida? Serei capaz de optar por construir esta «torre», de vencer este «combate»? Jesus não nos quer fazer desanimar, mas sim tomar consciência que optar por Ele exige, é um caminho de exigência, não de facilitismo...

sábado, 24 de agosto de 2019

Banquete de humildade e gratuitidade

1 de setembro de 2019 | 22º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

É no contexto de uma refeição cuidada, “em casa de um dos principais fariseus”, que Jesus fala de um outro “banquete” – imagem de um “Reino” onde todos podem partilhar da mesma mesa, na abundância da vida oferecida por Deus. Jesus fala do sonho de Deus para a humanidade: que todos possam viver à imagem do amor trinitário que nos é dado a conhecer na atitude do próprio Jesus Cristo.

Nesse “banquete” é fundamental, em primeiro lugar, a atitude da humildade. A arrogância cria barreiras, distancia as pessoas… A humildade cria espaço de encontro e de relação. Jesus é o próprio Deus que não se valeu da sua condição divina para ter grandes honras, mas que se colocou de joelhos diante da humanidade para lhe lavar os pés, que se doou plenamente até à oferta na cruz. É desta entrega que se abre a porta do reencontro definitivo da humanidade decaída com o amor redentor de Deus.

Uma segunda atitude fundamental neste “banquete” é o da gratuitidade. Jesus ousa desafiar os nossos hábitos ao dizer para convidar não os amigos e familiares para partilharem da nossa mesa, pois esses certamente encontrarão o espaço da retribuição. «Convida os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos; e serás feliz por eles não terem com que retribuir-te». Dar sem esperar recompensa, nem reconhecimento ou publicidade. Partilhar(-se) no silêncio dos gestos, pequenos ou grandes, na certeza de que o amor basta ao amor.

sexta-feira, 23 de agosto de 2019

A porta estreita do esforço, da relação e da humildade

25 de agosto de 2019 | 21º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

A porta da salvação é "estreita", exige esforço, alerta Jesus no texto do Evangelho deste domingo. E se compreendemos a salvação não apenas no sentido definitivo, de Vida após a vida e morte, mas também na perspetiva de viver a salvação neste mundo, fazendo dela uma vida boa, bela, feliz, bem sabemos que isso não acontece se ficarmos de braços cruzados a ver passar a vida a nosso lado, mas aceitando o desafio de ser protagonista, de lutar e de se esforçar para atingir objetivos, para chegar cada vez mais longe...

Mas não só. Essa "porta estreita" tem um dono que a pode abrir e fechar. Para entrar é importante conhecer o dono, ter intimidade, uma boa relação com Ele. A salvação é uma questão de relação. Relação que se inicia já, aqui e agora, com o Senhor Jesus e que deve tornar-se comunhão para sempre.

O esforço exigido ao crente é pois a saudável inquietude de quem não tem nada garantido - quanto à salvação - pela pertença eclesial ou pela frequência dos sacramentos. Mas de fazer desta vivência um caminho de verdadeira relação, de conhecimento íntimo, que, na relação, se torna também ação: levar para a vida as exigências da relação com o Senhor. E de forma particular a humildade, o último lugar, a não presunção de si e a não reivindicação. De, como Jesus, se deixar "emagrecer" de si mesmo para passar essa porta estreita onde as "gorduras" do orgulho e de tudo o que preenche em vão a vida impedem a passagem.

sexta-feira, 16 de agosto de 2019

Que fogo vem lançar Jesus à terra?

18 de agosto de 2019 | 20º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

Ser cristão e assumir os valores do Evangelho não é sinónimo de facilidade e de tranquilidade. A radicalidade do amor que a vida e a palavra de Jesus nos lançam, exigem escolhas livres e responsáveis, que comprometem. Para seguir Jesus Cristo hoje, como sempre, é preciso deixar-se cativar por Ele, mas aceitar também o esforço da caminhada. Por isso, Jesus afirma que vem trazer o fogo à terra: não apenas essa chama que ilumina os nossos passos, mas também o fogo purificador, que destrói (egoísmos, preguiças, injustiças…) e possibilita o renascer das cinzas de um mundo renovado. Este fogo manifesta-se no seu auge no momento da cruz, quando Jesus leva ao extremo o sentido da vida vivida por amor: é esse o batismo que Ele realiza, e no qual participamos.

Ter a humildade, mas também a coragem, para se deixar «queimar» pelo «fogo de Deus», é vencer passividades e indiferentismos, ser capaz de opções comprometedoras que desafiam, tantas vezes, o mundo em que vivemos. Por isso, será também causa de inquietação, mesmo de divisão dentro das famílias e comunidades (onde criticar ou menosprezar é sempre mais fácil que aceitar o processo de conversão pessoal e de transformação da própria vida, e de se implicar no crescimento de todos…). Jesus é a paz, e vem trazer a paz, mas uma paz que é vivida com coerência e exigência. E ser exigente é sempre um caminho de intranquilidade.

sábado, 10 de agosto de 2019

Não temas, mas está preparado!

11 de agosto de 2019 | 19º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

«Não temas, pequenino rebanho...» assim começa Jesus, depois de ter chamado a atenção (no texto do evangelho do passado Domingo) para que os discípulos, contra toda a avareza, se tornassem ricos aos olhos de Deus. O Pai quis dar de graça o "Reino", para que também os discípulos, com confiança, o partilhem de graça: o guardar para si mesmo o que se recebe de Deus é outra forma de avareza!

Por isso a atenção, o estar preparado: as parábolas apontam para a atitude de vigilância, de responsabilidade no acolher e fazer chegar mais longe o reino, porque «a quem muito foi dado, muito será exigido, a quem muito foi confiado, mas se lhe pedirá».

sexta-feira, 2 de agosto de 2019

Festa em honra de Santa Marta 2019

Festa em honra de Santa Marta, Padroeira da Calvaria, 2 a 6 de agosto.

A vida de uma pessoa não depende da abundância dos seus bens

04 de agosto de 2019 | 18º Domingo do tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

Uma questão difícil, ontem como hoje, a das heranças... como de tantas outras questões relacionadas com a propriedade, com o ter, com o dinheiro. Jesus aproveita a ocasião em que é questionado para afirmar que «a vida de uma pessoa não depende da abundância dos seus bens». E conta uma pequena parábola: o rico que tem tão excelente colheita que vai querer guardar os seus bens para longos anos, e que pensa para consigo: «descansa, come, bebe, regala-te». Mas, nesse mesmo dia terá de entregar a sua alma. E fica a pergunta: «o que preparaste, para quem será?»

Não se deixar cegar pela riqueza, mas alargar o horizonte da vida a outras «riquezas», as que o são aos olhos de Deus... Não é desprezo pelos bens materiais, mas saber usar as oportunidades que neles são dadas para procurar um bem maior, na partilha e generosidade.

sábado, 27 de julho de 2019

Amar e servir a Deus e aos nossos irmãos com as mãos de Marta e o coração de Maria

No passado dia 21 de julho de 2019, domingo, quando o Evangelho do dia narra o acolhimento de Jesus na casa de Marta e de Maria, o Papa Francisco, no Angelus, partilhou a seguinte reflexão:

Vélazquez, Jesus em casa de Marta e Maria
No trecho deste domingo, o Evangelista Lucas narra a visita de Jesus à casa de Marta e Maria, irmãs de Lázaro (cf. Lc 10, 38-42). Elas recebem-no e Maria senta-se aos seus pés para o ouvir; deixa o que estava a fazer, para estar perto de Jesus: não quer perder nenhuma das suas palavras. Tudo deve ser posto de lado porque, quando Ele nos vem visitar na nossa vida, a sua presença e a sua palavra vêm antes de tudo. O Senhor surpreende-nos sempre: quando realmente nos pomos à sua escuta, as nuvens dissipam-se, as dúvidas cedem lugar à verdade, os receios à serenidade e as diferentes situações da vida encontram a posição certa. Quando vem, o Senhor resolve sempre as coisas, também as nossas.

Nesta cena de Maria de Betânia aos pés de Jesus, São Lucas mostra a atitude orante do crente, que sabe estar na presença do Mestre para o ouvir e para se pôr em sintonia com Ele. Trata-se de fazer uma pausa durante o dia, de se recolher em silêncio, por alguns minutos, para dar espaço ao Senhor que “passa” e para encontrar a coragem de permanecer um pouco “à parte” com Ele, para depois voltar, com serenidade e eficácia, às situações da vida de todos os dias. Elogiando o comportamento de Maria, que “escolheu a melhor parte” (v. 42), Jesus parece repetir a cada um de nós: “Não te deixes dominar pelas coisas a fazer, mas antes de tudo ouve a voz do Senhor, para cumprir bem as tarefas que a vida te confiar”.

Depois há a outra irmã, Marta. São Lucas diz que foi ela quem acolheu Jesus (cf. v. 38). Talvez Marta fosse a mais velha das duas irmãs, não sabemos, mas certamente esta mulher tinha o carisma da hospitalidade. Com efeito, enquanto Maria ouve Jesus, ela está totalmente ocupada com os numerosos serviços. Por isso, Jesus diz-lhe: “Marta, Marta, estás inquieta e perturbada com muitas coisas” (v. 41). Com estas palavras, Ele certamente não tenciona condenar a atitude de serviço, mas sobretudo a ansiedade com que às vezes ele é vivido. Também nós compartilhamos a preocupação de Santa Marta e, seguindo o seu exemplo, propomo-nos fazer com que, nas nossas famílias e comunidades, se viva o sentido de hospitalidade e fraternidade, para que todos possam sentir-se “em casa”, especialmente os pequeninos e os pobres quando batem à porta.

Portanto, o Evangelho de hoje recorda-nos que a sabedoria do coração consiste precisamente em saber conjugar estes dois elementos: contemplação e ação. Marta e Maria indicam-nos o caminho. Se quisermos saborear a vida com alegria, devemos associar estas duas atitudes: por um lado, “estar aos pés” de Jesus, para o ouvir enquanto Ele nos revela o segredo de tudo; por outro, estar atentos e prontos na hospitalidade, quando Ele passa e bate à nossa porta, com o rosto do amigo que tem necessidade de um momento de conforto e fraternidade. É necessária esta hospitalidade!

Maria Santíssima, Mãe da Igreja, nos conceda a graça de amar e servir a Deus e aos nossos irmãos com as mãos de Marta e o coração de Maria para sermos artífices de paz e de esperança, permanecendo sempre à escuta de Cristo. E isto é interessante: com estas duas atitudes, seremos artífices de paz e de esperança.

In: VATICAN.VA

sexta-feira, 26 de julho de 2019

Pedir, pedir, pedir...

28 de julho de 2019 | 17º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

Os discípulos de Jesus encontram-n'O tantas vezes a rezar que acabam por lhe pedir: «Senhor, ensina-nos a orar»... E Jesus ensina certamente a sua própria oração. O Pai Nosso é a oração de Jesus, aquela que Ele reza, que Ele vive, que Ele ensina...

Depois, Jesus insiste no pedir: pedir, procurar, bater à porta... com confiança, sem desânimo, porque «o Pai do Céu dará o Espírito Santo àqueles que Lho pedem»... Pedir, sobretudo, o melhor que temos para receber: o próprio Deus em nós, no seu Espírito.

Deus não precisa da nossa insistente oração. Somos nós a ter necessidade dela para a imprimir nas fibras da nossa mente e do nosso corpo, para aumentar o nosso desejo e a nossa expectativa, para dizer a nós próprios a nossa esperança.

sexta-feira, 19 de julho de 2019

A melhor parte, entre os afazeres da vida

21 de julho de 2019 | 16º Domingo do tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

Marta e Maria são irmãs e acolhem Jesus em casa. Marta preocupa-se em ter tudo preparado para que Jesus se sinta bem acolhido: refeição, alojamento... Maria preocupa-se em ter tempo para o encontro, a escuta... para que Jesus se sinta bem acolhido. Em ambas a mesma preocupação, vivida de formas tão diversas. E a palavra de Jesus que vai alertar para aquilo que "não é tirado" porque permanece para sempre - a Palavra que, escutada, faz encontrar o sentido de toda a vida.

Entre os muitos afazeres e preocupações, é importante não perder a direção, o sentido do que se faz e para que se faz. E para fazer bem, é tão importante que esta luz não se apague. Maria, aos pés de Jesus, encontra a "melhor parte", e faz-nos recordar, entre todos os afazeres e preocupações da vida, que neste encontro verdadeiro com Jesus tudo será feito preenchido de sentido.

Paróquia foi em passeio a Tomar e Dornes

No passado sábado, dia 13 de julho, a paróquia da Calvaria teve o seu passeio anual, este ano com destino a Tomar e Dornes. Foram cerca de 110 os participantes nesta iniciativa que procura juntar a cultura, o convívio e a partilha, criando laços entre os paroquianos, nomeadamente aqueles que se dedicam aos diversos serviços dentro da dinâmica paroquial.

A primeira paragem foi no Convento de Cristo, onde se pôde apreciar toda a beleza e grandiosidade daquele espaço. Seguindo para o centro da cidade de Tomar, dois pontos foram especialmente visitados: a Sinagoga e a Igreja de São João Batista. A manhã terminou com o piquenique na Mata dos Sete Montes, ainda no centro de Tomar.

Depois, durante a tarde, segui-se a viagem para Dornes onde houve tempo livre para descansar, mergulhar nas águas da barragem, fazer um passeio de barco... escutar a música de um interessante conjunto instrumental que nos presenteou com a sua atuação. O lanche terminou com a trocas das prendas do amigo secreto. Pelas 18h, a Missa na Igreja de Nossa Senhora do Pranto foi o último momento em comum antes do regresso à paróquia. Um dia bem passado, com pouco tempo de autocarro e mais tempo para parar, visitar e conviver!

sexta-feira, 12 de julho de 2019

A misericórdia começa por ver, parar e tocar

14 de julho de 2019 | 15º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

"O verbo central da parábola, aquele que brota de cada gesto do samaritano, expressa-se com as palavras «encheu-se de compaixão». (...) Os primeiros três gestos do bom samaritano: ver, deter-se, tocar, traçam as primeiras três ações da misericórdia.

Ver: viu e teve compaixão. Viu as feridas e deixou-se ferir pelas feridas daquele homem. O mundo é um imenso pranto, e «Deus navega num rio de lágrimas» (Turoldo), invisíveis a quem perdeu os olhos do coração, como o sacerdote e o levita. Para Jesus, ao contrário, olhar e amar eram a mesma coisa: Ele é o olhar amante de Deus.

Deter-se: interromper o próprio caminho, os próprios projetos, deixar que seja o outro a ditar a agenda, deter-se no interior da vida que geme e chama. Farei mundo por este mundo toda a vez que simplesmente suspendo a minha corrida para dizer «obrigado», para dizer «aqui estou».

Tocar: o samaritano faz-se próximo, derrama óleo e vinho, enfaixa as feridas do homem, carrega-o, transporta-o. Tocar é palavra dura para nós, convoca o corpo, mete-nos à prova. Não é espontâneo tocar o contagioso, o infetado, o chagado. Mas no Evangelho toda a vez que Jesus se comove, pára e toca. Mostrando que amar não é um facto emotivo, mas um facto que precisa de mãos, de tato, é concreto, tangível."

Ermes Ronchi, In "Avvenire", Trad.: Rui Jorge Martins
Texto completo AQUI

sexta-feira, 5 de julho de 2019

Todos enviados, a todos os lugares

7 de julho de 2019 | 14º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

Jesus escolhe e envia 72 discípulos num caminho de simplicidade e de paz, recomendando que peçam ao senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara. Não se vão anunciar a si mesmos, nem trabalhar por conta própria, mas preparar o caminho para que Jesus possa habitar com os homens: «Está perto de vós o reino de Deus»... E os discípulos voltam cheios de alegria!

Paz e alegria. O anúncio e o acolhimento do reino de Deus traz esta vida renovada pelo Espírito, em que o mal é vencido, e os nomes se inscrevem nos Céus, numa esperança presente e futura.

sexta-feira, 28 de junho de 2019

Jesus vai à frente: quem O quer acompanhar?

30 de junho de 2019 | 13º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim


Começa um tempo novo no Evangelho de Lucas: o caminho de Jesus para Jerusalém. Um caminho que terá de ser feito por quem, na liberdade, quer assumir as exigências do seguimento de Cristo.

Um caminho que nem sempre é bem acolhido (os samaritanos não querem receber Jesus...) mas que não pode ser feito à força nem com violência (Jesus repreende os discípulos que queriam pedir fogo do céu para destruir esses mesmo samaritanos...).

Um caminho que não é feito para conquistar um bem-estar material («o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça...»), que não pode ser adiado à espera das condições e tempos ideais («Deixa que os mortos sepultem os seus mortos»), que é para envolver a vida toda e toda a vida («Quem tiver lançado as mãos ao arado e olhar para trás não serve para o reino de Deus»)...

Jesus faz este caminho, radical, de entrega total de amor, de desprendimento de si mesmo, que O leva da cruz à Vida Eterna... É ele quem vai à frente... quem O quer acompanhar?

sábado, 22 de junho de 2019

Jovens colaboram com a Conferência S. Vicente de Paulo no Dia Paroquial do Idoso e do Doente

 No passado fim-de-semana, 15 e 16 de junho, os jovens do 9º ano da catequese viveram a Festa do Compromisso, e os do 10º ano a Festa do Envio. No sábado, em São Jorge, no domingo na Calvaria.

Também no domingo, a Conferência São Vicente de Paulo organizou a Dia Paroquial do Doente e Idosos, que teve início com a celebração da Eucaristia, às 11h, na igreja paroquial. Dada a coincidência da data, foi feito o convite para que os jovens pudessem colaborar no acolhimento dos mais velhos na igreja, e apoio em pequenas tarefas durante a celebração e, depois, durante o almoço, ajudarem a servir a refeição aos cerca de 160 idosos que estiveram presentes nesse momento de confraternização, no salão da Casa do Povo da Calvaria de Cima.



Um grupo de jovens, maioritariamente do 10º ano, disponibilizou-se para este serviço que assim reuniu os jovens à proposta da Conferência São Vicente de Paulo, tornando já real o Compromisso assumido, e o Envio para serem testemunhas do Evangelho por meio do serviço.

Após o almoço, o convívio terminou com a oração do terço e um lanche. A Conferência São Vicente de Paulo, para além das várias entidades e instituições que colaboraram para a realização deste Dia, e de muitos voluntários, agradece também a presença destes jovens, deixando desde já o convite para voltarem a participar em atividades de serviço caritativo.


E vós, quem dizeis que eu sou?

23 de junho de 2019 | 12º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

A pergunta de Jesus continua a ecoar ao longo dos tempos. «Dizer» alguém nunca é fácil, mas torna-se tanto mais complexo quanto mais próximo se está daquele que se quer expressar em palavras: aí as palavras passam para além das opiniões exteriores para ganharem o peso da relação que nos une àquele de quem se fala.

O silêncio é quebrado por Pedro. «Messias» é uma palavra complexa, porque pode ganhar sentidos diversos por quem a pronuncia: se o povo esperava um libertador-militar-político-poderoso, que o libertasse da opressão do Império Romano, Jesus fala de um libertador que o faz no amor da entrega da sua vida na cruz.

A liberdade da entrega total de si mesmo, por amor: o «messias» diz-se a si mesmo na cruz, e desafia quem O segue a fazer, nas pequenas coisas de cada dia, a mesma entrega na cruz de cada dia.

sábado, 15 de junho de 2019

Uno e Trino: o coração do mistério de Deus

16 de junho de 2019 | Solenidade da Santíssima Trindade
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

O Mistério da Trindade situa-nos no coração do Amor de Deus. Pode parecer uma afirmação de fé muito distante e difícil de compreender e, de facto, racionalmente, não é simples: no Evangelho que escutamos neste Domingo Jesus, o Filho de Deus, fala da sua unidade com o Pai e promete enviar o Espírito...

Mais do que raciocínios lógicos e matemáticos, somos convidados a contemplar (entrar dentro) do sentido profundo desta revelação que Deus faz de si mesmo em Jesus Cristo: Deus, na sua identidade, é Comunhão, Relação, Amor. Entrar dentro deste mistério é deixar-se abraçar pelo Amor que nos sonhou, que nos envolve, que nos salva, para se partilhar connosco eternamente.

Na liturgia deste Domingo, o prefácio levanta um pouco o véu de todo este mistério:

Senhor, Pai santo, Deus eterno e omnipotente,
é verdadeiramente nosso dever, é nossa salvação
dar-Vos graças, sempre e em toda a parte:
Com o vosso Filho Unigénito e o Espírito Santo,
sois um só Deus, um só Senhor,
não na unidade de uma só pessoa,
mas na trindade de uma só natureza.
Tudo quanto revelastes acerca da vossa glória,
nós o acreditamos também, sem diferença alguma,
do vosso Filho e do Espírito Santo.
Professando a nossa fé na verdadeira e sempiterna divindade,
adoramos as três Pessoas distintas,
a sua essência única e a sua igual majestade.

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Festa da Palavra das Crianças do 4º ano

No passado domingo, dia 9 de junho, as crianças do 4º ano da catequese da Paróquia, dos centros da Calvaria e de São Jorge, juntaram-se na igreja paroquial, na missa das 11h, para a Festa da Palavra.

Depois de terem recebido a Bíblia um pouco antes do Natal, esta festa marca o caminho de descoberta da Palavra de Deus que se faz presente na vida. Por isso, para além de trazer a sua Bíblia, cada criança escolheu uma das páginas do seu livrinho pessoal, o portefólio onde foram guardando as folhas de "A Palavra de Deus na Minha Vida" - o desafio de em cada semana ver como a Palavra de Deus continua presente na realidade de cada dia.

No domingo de Pentecostes, esta celebração ajudou toda a comunidade a perceber como o Espírito Santo continua a atuar na vida concreta quando, à sua luz, acolhemos, rezamos, aprofundamos, compreendemos e vivemos a Palavra de Deus em cada dia: "Mandai, Senhor, o vosso Espírito" para que a Palavra de Deus renove a nossa vida e, por nós, o mundo onde vivemos!


sábado, 8 de junho de 2019

O sopro e fogo de Deus que recria a humanidade

9 de junho de 2019 | Solenidade do Pentecostes
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

Jesus sopra sobre os discípulos o seu Espírito, aqueles que é capaz de os ajudar a serem testemunhas da Sua ressurreição, construtores da paz, portadores do perdão... O Pentecostes é a certeza d'Aquele que não se vê mas faz sentir a força da sua vida nos que acolhem o desafio de serem continuadores da ação do próprio Jesus Cristo: é o seu «sopro», o seu «hálito vital», é como que a vida de Cristo ressuscitado que é soprado sobre os discípulos. E este «sopro divino, à semelhança do primeiro sopro que dá vida ao homem formado da argila, agora recria aqueles que ousam deixar-se habitar por Deus.

É este sopro que Lucas, nos Atos dos Apóstolos, apresenta como Aquele que se faz escutar como forte rajada de vento e, como que em línguas de fogo, desce sobre os discípulos e lhes dá uma vitalidade até ali desconhecida.

A vitalidade da Igreja, e a vitalidade de cada um de nós, vem deste «Senhor que dá a vida».

sábado, 1 de junho de 2019

Festa da Avé Maria com as crianças do 1º ano

No dia 31 de maio, ao concluir o Mês de Maria, as crianças do 1º ano da catequese da paróquia da Calvaria foram convidadas a celebrar esse dia da Festa da Visitação de Nossa Senhora com a Festa da Avé Maria.

Durante a celebração, as crianças, com o nome de Maria, construíram e rezaram uma oração:

«Maria,
Mãe de Jesus e nossa Mãe,
Amor que nos guia,
Rogai por nós!
Iluminas a nossa vida, és a nossa
Alegria!»

A celebração terminou com a oração do terço, numa pequena procissão com o andor de Nossa Senhora de Fátima, no qual cada uma delas já tinha colocado uma flor. Nesta oração, as crianças foram convidadas a rezar a primeira parte da oração da Avé Maria.

sexta-feira, 31 de maio de 2019

Passeio de Motorizadas


Organizado pela Comissão da Festa em honra de Santa Marta, será no próximo domingo, dia 9 de junho, com a concentração pelas 8h30, bênção dos capacetes às 9h20, e a saída pelas 9h.

A partir das 12h30 haverá o almoço, entrega dos prémios, e animação durante a tarde, incluindo a Grande Corrida do Caracol.

As inscrições podem fazer-se para o passeio e almoço (15 rodas), ou apenas o almoço (10 rodas). Para mais informações e inscrições, contactar os festeiros: 961339168, 918702927, ou 910024289.

No tempo e no espaço de Deus

2 de junho de 2019 | Solenidade da Ascensão do Senhor
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

A ascensão é-nos apresentada por Lucas quase de uma forma plástica. Talvez para nos facilitar a compreensão deste mistério: Jesus é glorificado, «elevado» para o Pai, deixa de estar nas coordenadas físicas do espaço-tempo tal como o conhecemos. A ressurreição de Jesus é precisamente esta «entrada» no «tempo-da-eternidade» e no «espaço-da-presença-de-Deus», uma realidade que nos transcende, e transcende toda a nossa capacidade de compreensão: o que dessa realidade-estado-dimensão podemos dizer é apenas um pouco do que nos é dado vislumbrar pela nossa fé em Cristo ressuscitado.

O tempo e o espaço de Deus são os do Amor: amor que vence a morte, amor que vence as limitações do nosso tempo e do nosso espaço. Amor que não se deixa limitar no tempo e no espaço: é eterno e omnipresente. E é nessa realidade que Jesus se encontra, e dessa realidade que derrama sobre nós o seu Espírito para que, também nós, ressuscitados com Ele pelo batismo, sejamos parte da sua glorificação-ascensão.

Hoje é dia desta nossa esperança!

quarta-feira, 29 de maio de 2019

Profissão de Fé do grupo do 6º ano

No passado domingo, dia 26 de maio, os 29 adolescentes dos grupos do 6º ano da Paróquia da Calvaria viveram a significativa festa da Profissão Solene da Fé: a festa que marca uma adesão pessoal, mais consciente e livre, a Deus Pai, Filho e Espírito Santo, na Igreja, comunidade da qual receberam, pelo Batismo, o dom da fé e onde cresceram no encontro com Jesus ao longo destes 6 anos da catequese.

A celebração começou precisamente com cada um a acender a sua vela do Batismo, sinal da sua vontade de agora, por si mesmo, seguir o caminho iluminado por Cristo, recordando esse Batismo pela aspersão da água batismal. A partir da escuta da Palavra, reforçou-se a alegria de vivermos esta festa com todo este significado, salientando-se depois que, no caminho da fé, do encontro e relação com Deus, é-nos dado o dom do Espírito Santo que nos fortalece e acompanha, que nos ilumina e conduz, tal como Jesus prometeu no Evangelho: "O Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as coisas e vos recordará tudo o que Eu vos disse... Não se perturbe nem se intimide o vosso coração". Por fim, e escutando a experiência dos primeiros cristão, tal como a Igreja reunida escreve a uma das comunidades para a incentivar e esclarecer no caminho da fé, também nós temos na Igreja a palavra que nos ajuda, sendo sempre tão importante que a nossa fé seja informada e esclarecida.

Chegado o momento da Profissão de Fé, de novo de velas acesas, cada um pôde então proclamar o seu "Sim, creio!" Acreditar, entregando-se nas mãos de Deus, de um Deus que se faz alimento na Eucaristia. A terminar a celebração, de novo de velas acesas, o grupo foi convidado a sair para o exterior com essa vontade de levar a fé para a vida, e de ser sua testemunha!

sexta-feira, 24 de maio de 2019

Encerramento do Mês de Maria

Ao terminar o mês de maio, haverá na paróquia da Calvaria as celebrações nas diversas comunidades, a marcar o final deste Mês de Maria.

Assim, na igreja paroquial, o encerramento do Mês de Maria será na sexta-feira, 31 de maio, festa litúrgica da Visitação de Nossa Senhora. A missa será às 20h, seguida de procissão de velas, e inclui a Festa da Avé Maria das crianças do 1º ano de toda a Paróquia.

Em São Jorge, será no sábado, dia 1 de junho, com a missa às 19h, seguida de procissão de velas.

No domingo, dia 2 de junho, será nos Casais de Matos. Haverá o almoço a partir das 12h30 (inscrições até 29 de maio: 915775494, 910465113 ou 919672956), seguindo-se a missa, às 15h30, e a procissão. Termina com um tempo de convívio.

No Casal do Relvas, será no sábado, dia 8 de junho, com a missa às 20h30, seguida de procissão de velas.