Programa da Paróquia

sexta-feira, 17 de maio de 2024

O sopro e fogo de Deus que recria a humanidade

19 de maio de 2024 | Solenidade do Pentecostes
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

Jesus sopra sobre os discípulos o seu Espírito, aquele que é capaz de os ajudar a serem testemunhas da Sua ressurreição, construtores da paz, portadores do perdão... O Pentecostes é a certeza d'Aquele que não se vê mas faz sentir a força da sua vida nos que acolhem o desafio de serem continuadores da ação do próprio Jesus Cristo: é o seu «sopro», o seu «hálito vital», é como que a vida de Cristo ressuscitado que é soprado sobre os discípulos. E este «sopro divino», à semelhança do primeiro sopro que dá vida ao homem formado da argila, que agora recria aqueles que ousam deixar-se habitar por Deus.

É este sopro que Lucas, nos Atos dos Apóstolos, apresenta como Aquele que se faz escutar como forte rajada de vento e, como que em línguas de fogo, desce sobre os discípulos e lhes dá uma vitalidade até ali desconhecida.

A vitalidade da Igreja, e a vitalidade de cada um de nós, vem deste «Senhor que dá a vida».

terça-feira, 14 de maio de 2024

Jesus subiu ao Céu, mas permanece sempre connosco, e faz-se alimento para nós

Na solenidade da Ascensão celebramos a certeza de que Jesus, que foi elevado para o reencontro pleno com o Pai, não deixa nunca de estar connosco. Mesmo antes de partir, diz-nos o evangelho de São Marcos, escutado neste domingo, Ele envia os seus discípulos para serem sinal dessa presença de amor e de esperança para o mundo. E para alimentar os discípulos que envia, Jesus, Ele mesmo, quis ficar presente no Pão e no Vinho da Eucaristia. Quanta criatividade e amor nesta presença de Jesus! Não O vemos da mesma maneira que as outras pessoas, mas sabemos que Ele está, "escondido", no Pão consagrado, e que Ele mesmo entra em nós para percorrer todo o nosso ser.

No dia em que as crianças do 3º catecismo da paróquia da Calvaria participaram plenamente na Eucaristia pela primeira vez, com a Comunhão Eucarística, o texto do Evangelho do domingo, dia 12 de maio, confirmou a caminhada das crianças que se prepararam para acolher Jesus em si, e despertou para o desejo de estar com Ele, e deixar que Ele em nós nos continue a enviar para sermos sinal do seu amor.

A celebração, que decorreu na missa dominical, às 11h, na igreja paroquial, reuniu as 24 crianças dos grupos da Calvaria e São Jorge e os seus familiares, com a Comunidade, e foi vivida em ambiente de festa e de alegria, na certeza de que Jesus não deixa nunca de estar connosco, e fica “tão perto de mim que até Lhe posso tocar”. A vida recebida no Batismo que, neste dia, quatro destas crianças celebraram, recordada por todos na data do lenço de cada criança, é alimentada de cada vez que recebemos Jesus na Comunhão. Por isso, cada um, pode dizer e cantar: “sou de Cristo, sou feliz”.

sexta-feira, 10 de maio de 2024

Ascensão: o início de um tempo novo

12 de maio de 2024 | Solenidade da Ascensão
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

O Evangelho deste Domingo põe-nos diante de um último encontro de Cristo ressuscitado com o grupo dos Onze, no qual Ele os envia a anunciar o Evangelho, seguindo-se a sua ascensão e o início da atividade missionária dos discípulos.

É o início de um tempo novo: Jesus não está da mesma forma, mas está presente pela ação e testemunho dos discípulos que O tornam presente neste mundo. A comunidade dos crentes não pode deixar de anunciar a Vida recebida, e de a tornar presente pelo vencer das injustiças e opressões (o “expulsar dos demónios”), pela construção da paz e do entendimento entre os povos (o falar de “novas línguas”), pela esperança que levam a todos os que sofrem (a “cura” dos doentes). Jesus reentra na comunhão do Pai, mas continua a sua missão de construir o Reino de Deus através de todos os que optam por Ele e seguem os seus passos.

Como recorda o Sr. D. José Ornelas na Carta Pastoral para este triénio, a missão “é a razão de ser da Igreja. A Igreja não é um clube de boas pessoas, que se separa dos outros para se resguardar de maus contágios. Pelo contrário, ela abre as portas para que possa contagiar a sociedade com o fermento da vida, da libertação, da fraternidade do Evangelho”.

sexta-feira, 3 de maio de 2024

Saber-se amado e escolhido por Deus

5 de maio de 2024 | 6.º Domingo da Páscoa
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

Antes de nos voltarmos para Deus, já Ele nos escolheu: o amor de Deus por nós está antes de tudo, e acompanha toda a nossa vida. Sermos cristãos é sabermo-nos amados por Deus. Por isso, a nossa vida é também uma resposta de amor: amar como Jesus nos amou – é este o mandamento que Ele nos dá.

Ser testemunha de Cristo, deixar brilhar em nós a sua luz, viver a vida recebida no Batismo, é caminhar no amor, orientar a nossa vida pelo amor, dar frutos de amor. É este o caminho para a «alegria completa», a felicidade que buscamos, às vezes em caminhos tão distantes do amor, apesar de lhe darmos esse nome: só o «como» de Jesus é referência para perceber o que é ou não o verdadeiro amor.

sexta-feira, 26 de abril de 2024

Permanecer: uma relação que dá fruto

28 de abril de 2024 | 5.º Domingo da Páscoa
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

Se no Antigo Testamento o símbolo da videira era usado para falar de um povo (que nem sempre correspondeu com o fruto esperado), agora Jesus usa-o para falar de si mesmo: ele é aquele que cumpre em si mesmo tudo o que o Senhor da Vinha pode esperar da sua vinha. Em Jesus encontramos plenamente realizada a «obediência» à vontade do Pai, aquele que tornou a sua vida o lugar donde brota o «vinho novo» da nova aliança no seu sangue derramado na cruz…

Permanecer unido a Ele é a forma de também nós, os discípulos, ramos que não têm vida em si mesmo, mas que necessitam constantemente da seiva que de Jesus no vem, podemos dar fruto: acolher, partilhar, perdoar, respeitar, ser humilde, verdadeiro, justo e solidário, construir a paz, servir o bem comum, amar...

Permanecer unido. Não apenas uma relação esporádica ou momentânea, mas com a constância de quem se deixa mesmo podar para que o fruto seja cada vez melhor. A oração, a relação íntima e profunda com Ele, é o que mantém viva e vivificante esta relação.

terça-feira, 23 de abril de 2024

Um passo em frente rumo às unidades pastorais

O tema da evangelização e da conversão pastoral, com a implementação das Unidades Pastorais na Diocese, congregou cerca de sessenta representantes das paróquias da vigararia da Batalha, na tarde do domingo, dia 21 de abril, na paróquia das Pedreiras, na Assembleia Vicarial com a presença do Bispo D. José Ornelas Carvalho.
A Assembleia teve início pelas 15h30 na igreja paroquial, com um momento de oração, invocando o Espírito Santo, pedindo que este processo de discernimento seja vivido na busca da voz e dos desafios que Ele nos coloca e chama a acolher no contexto da Igreja e do mundo atual. Para rezar e introduzir os trabalhos que se seguiam, escutámos juntos a imagem do corpo, usada por São Paulo na Primeira Carta aos Coríntios. A Assembleia continuou, depois, no salão paroquial da Pedreiras, com uma breve apresentação sobre as Unidades Pastorais e o lançamento do trabalho dos grupos que refletiram sobre quatro questões.

O que sentimos que Deus nos está a pedir?
No plenário, cada grupo teve oportunidade de expressar as suas conclusões. À primeira pergunta, sobre o que sentimos que Deus nos está a pedir no que diz respeito à missão de evangelizar, celebrar a fé e exercer a caridade, as respostas foram no sentido de que nos está a ser pedido que façamos um discernimento da realidade à luz da fé. Em conjunto, em espírito sinodal, escutando-nos uns aos outros, e uns e outros escutando a voz do Espírito, acolher o desafio de sermos comunidades que acolhem, vivem, celebram e testemunham o Evangelho. Voltar ao essencial, à fonte. Sermos uma Igreja próxima, acolhedora, humilde, que escuta a todos, uma Igreja que serve e vive o mandamento do amor, de cristãos comprometidos e empenhados, na diversidade de ministérios e de serviços que se apoiam uns aos outros. Um caminho que se funda na oração, no diálogo e na formação.

Primeiros passos para a implementação das Unidades Pastorais
A segunda questão debruçava-se sobre os primeiros passos para poder concretizar a implementação das Unidades pastorais. Os vários grupos partilharam que é necessário fazer um caminho de reflexão e de trabalho em conjunto, entre as paróquias (promover a diversificação de equipas de leigos interparoquiais ou vicariais), procurar promover a formação dos leigos, e o seu envolvimento nos processos de reflexão e de decisão, e a criação de equipas que possam dar sugestões práticas para que se possam tomar decisões. Neste processo, é importante dar a todos a oportunidade de participar e dar o seu contributo, escutando a todos, e de modo particular os jovens.

Com que paróquias formar as Unidades Pastorais?
Quanto à questão prática, da criação de Unidades Pastorais na zona da vigararia da Batalha, os grupos, apesar de não terem uma resposta plenamente unânime, e de se poderem pensar outras alternativas que possam mesmo passar para além dos atuais limites geográficos da vigararia da Batalha, tenderam para uma possibilidade de formar duas UP: uma constituída pelas paróquias do Reguengo do Fetal, Batalha e Calvaria; outra formada com as paróquias das Pedreiras, Juncal e Aljubarrota.

Dificuldades e oportunidades
Na última questão, os grupos refletiram sobre a abertura das comunidades à proposta das Unidades Pastorais, as dificuldades e oportunidades que se pressentiam em todo o processo da sua implementação. As respostas foram no sentido de que há abertura por parte das comunidades para fazer este caminho de reconversão pastoral e da criação das Unidades Pastorais. Poderá não ser fácil em alguns momentos, devemos contar com as naturais resistências à mudança, além da crítica, e da falta de empenhamento. Mas traz a oportunidade de envolver as comunidades, e mesmo os jovens, em todo o processo, de promover a abertura ao Espírito e à oração em comum para o discernimento do caminho a seguir, assim como a possibilidade de um maior intercâmbio e interajuda entre paróquias. Salientaram ainda como uma oportunidade para promover a formação dos leigos, a diversificação dos ministérios e serviços na comunidade, percebendo novos caminhos e campos de ação.
 
O que Deus nos pede? Qual a nossa missão?
No final da partilha, D. José Ornelas salientou a importância destes momentos para tomar consciência da realidade que estamos a viver e de, em conjunto, em espírito sinodal, discernir a resposta que o Espírito nos convida a dar. A Igreja tem sempre necessidade de voltar às suas fontes, para poder continuar a encontrar a vitalidade que a faça sempre renovar.

A escuta é essencial. Escutar o Espírito, escutar a todos, escutarmo-nos uns aos outros, num caminho de diálogo verdadeiro, que nos ajude a responder a duas questões: O que Deus nos pede? Qual a nossa missão? Sem precipitações, investido na formação ao longo do caminho, levando o tempo que for necessário, envolvendo a todos, padres e leigos, para que cada um possa assumir a sua missão de construir a Igreja, e encontrando forma de chegar junto dos jovens e de os envolver no caminho de discernimento e decisão.

A Assembleia concluiu com um tempo de convívio e lanche para todos os presentes.

sexta-feira, 19 de abril de 2024

Relação, confiança, seguimento

21 de abril de 2024 | 4.º Domingo da Páscoa
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

O que distingue o mercenário do pastor é a relação que eles têm com as suas ovelhas. Para o pastor, cada ovelha é única aos seus olhos, e cada uma delas reconhece o seu pastor. Ele está pronto a tudo para que as suas ovelhas vivam, indo mesmo ao ponto de arriscar a sua própria vida. Ele cuida até das que não são do seu rebanho. O mercenário, pelo contrário, importa-se mais com o seu próprio lucro do que com o bem das ovelhas.

Jesus, que se compara ao bom pastor, vive esta relação como reflexo da sua relação com o Pai: “conheço as minhas ovelhas... do mesmo modo que o Pai Me conhece e Eu conheço o Pai”. Quer levar para a humanidade a própria relação e comunhão Trinitária.

O pastor só tem sentido se ligado a um rebanho. Assim é Jesus: Ele “conhece as suas ovelhas e as suas ovelhas conhecem-no”. Elas “contam verdadeiramente para ele”. Ele ama as ovelhas e cuida delas. Vigia-as. Condu-las a boas pastagens, dando-lhes o bom alimento da Palavra de Deus. Ele vai ao ponto de dar a sua vida pelas suas ovelhas. E porque se sentem assim cuidadas, seguem. O seguimento vem da confiança, e a confiança da relação.

Neste domingo em que os cristãos são convidados a rezar pelas vocações, que a sua oração seja dirigida, em primeiro lugar, para o único Pastor, Jesus Cristo. Depois, que se peça para que Ele dê à sua Igreja pastores que procurem conhecer cada vez melhor a humanidade, amá-la, e que tenham o cuidado de sair ao encontro dos que estão mais distantes. E que a todos ajude a viver a vocação no serviço aos irmãos.