Programa da Paróquia

sexta-feira, 3 de julho de 2020

Celebração em honra de Santa Marta


29 de julho a 3 de agosto
Comissão organiza um conjunto de celebrações e eventos que, respeitando as normas em vigor, possam marcar os dias que seriam da festa: a procissão será automóvel, o restaurante funciona em Take Away, e algumas celebrações serão campais, no espaço do adro da igreja.

No atual estado de pandemia, não podendo realizar a festa de Santa Marta da forma habitual, iremos marcar a data da festa com um programa de celebrações em honra da Padroeira da Calvaria.

Assim, no dia 29 de julho, quarta-feira, dia da memória litúrgica de Santa Marta, haverá a missa às 21h, na igreja paroquial. Na quinta-feira, dia 30, a missa será de novo às 21h, seguida de um tempo de adoração ao Santíssimo com o tema “Marta acolheu Jesus em sua casa”. Na sexta-feira, 31 de julho, a missa será mais cedo, às 20h, na igreja, seguindo-se a oração do terço. Não sendo possível a habitual procissão de velas, teremos as velas acesas durante o tempo da oração mariana, que se realizará no adro, com a presença da imagem de Nossa Senhora de Fátima.

No sábado, dia 1 de agosto, haverá a habitual missa vespertina, às 19h.

No dia 2 de agosto, domingo, às 14h30, com iníco na igreja, começa a “procissão” automóvel da imagem de Santa Marta pelas ruas de todos os lugares da Paróquia da Calvaria. Pelas 17h, na chegada da “procissão”, haverá a missa campal, no adro da igreja.

Por fim, na segunda-feira, dia 3, terminamos com a celebração da “Missa dos Festeiros”, às 18h, e, ao final da noite, uma breve celebração para a passagem do testemunho para os festeiros do próximo ano (os nascidos em 1971), que decorrerá pelas 22h, no adro da igreja.

A Comissão está ainda a preparar o serviço de filhoses e de refeições em Take Away, em alguns dos dias desta celebração.

Em todas os momentos serão tomadas todas as precauções para que sejam respeitadas as indicações da DGS e da Conferência Episcopal Portuguesa, nomeadamente o uso obrigatório de máscara, a higienização das mãos e o distanciamento social.

Nas atuais circunstâncias será a forma possível de marcar esta data tão importante para a vida da Comunidade.

Simplicidade, humildade, pequenez...

5 de julho de 2020 | 14º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

O texto do Evangelho deste domingo começa com uma oração de Jesus: «Eu Te bendigo, ó Pai, porque escondeste estas verdades aos sábios e inteligentes, e as revelaste aos pequeninos...» Na continuação do texto, dá-se a entender que «estas verdades» a que apenas os «pequeninos» têm acesso é o conhecimento de Deus: «ninguém conhece o Filho senão o Pai...».

Algo constante na história da revelação de Deus é a simplicidade, humildade e pequenez: Deus não escolhe revelar-se à força, mas propõe-se a quem está desperto para O acolher, sem necessidade de milagres estrondosos, mas na simplicidade de quem se dispõe a acolher, na vida, o suave peso do Amor. É nesse Amor, como Jesus o viveu, que se liberta a vida do peso e do cansaço que oprime, e se abre ao horizonte de «descanso» de uma vida boa, bela e feliz.

sábado, 27 de junho de 2020

Oratórios da Sagrada Família

No atual estado de pandemia, os oratórios da Sagrada Família, que percorrem as casas das famílias nas várias zonas da paróquia, não têm passado de casa em casa.

Apesar desta "paragem forçada", continua o apelo, não apenas à oração na família e pela família, mas também à solidariedade e interajuda entre as famílias da comunidade e reforço dos laços de vizinhança, duas das dimensões essenciais deste tradição dos coros ou oratórios da Sagrada Família.

Para as famílias que não recebem o oratório em suas casas e, depois deste tempo de pandemia, o desejarem fazer, podem contactar o Pároco ou diretamente a pessoa que na sua zona é a responsável ou zeladora do oratório.

Para cada mês, o Serviço Diocesano de Pastoral Familiar prepara uma proposta de oração que acompanha os oratórios. A proposta para o mês de julho está disponível AQUI, com o convite à oração em família.

As propostas de oração para cada mês deste ano estão disponíveis NESTA PASTA.

sexta-feira, 26 de junho de 2020

Programa da peregrinação da imagem de São Pedro ao concelho de Porto de Mós


Tudo a partir da Relação essencial

28 de junho de 2020 | 13º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

O texto do Evangelho deste domingo centra-nos no essencial da nossa identidade de discípulos missionários: toda a vida, todas as relações, todas as ações do discípulo de Jesus devem partir do encontro e relação essencial com Ele. O essencial da nossa fé é Ele, que nos conduz ao Pai e nos dá o seu Espírito.

Mesmo aquelas relações que são as mais marcantes da vida (pai, mãe, filho, filha…), ganham um sentido e um horizonte novo quando vistas a partir do amor acolhido, vivido e partilhado em Jesus. As ações e opções da vida de cada dia só atingem a plenitude quando unidas à cruz de Cristo. Todo o acolhimento do outro, mesmo nos gestos mais insignificantes, como o dar um copo de água, podem ter um toque de excelência quando vividos no contexto da eternidade de Deus. Tudo ganha um sentido e luz nova quando iluminado pelo dom de Deus. Esse é o desafio: olhar os outros, olhar a nossa própria vida, olhar cada gesto através do olhar de Deus.

sábado, 20 de junho de 2020

A certeza de um amor infinito

21 de junho de 2020 | 12º Domingo do Tempo Comum
Leituras | Comentário | Avisos | Boletim

Quanto valemos aos olhos de Deus? Esta é uma pergunta que nos pode assaltar, ao olharmos para a nossa pequenez e fragilidade... Mas não há que temer. Jesus dá-nos a resposta, não só por meio de palavras onde nos repete "não temais", mas sobretudo através da sua vida.

Jesus entrega a sua vida por nós mostrando-nos o imenso amor que Deus nos tem, amor este que vai ao extremo de enviar o Seu Filho muito amado para que nós tenhamos vida, e vida em abundância. Somos preciosos aos olhos de Deus ao ponto dos cabelos da nossa cabeça estarem todos contados, como afirma Jesus de forma tão bela no Evangelho deste domingo. Uma imagem que nos fala destes mais pequenos pormenores de nós mesmos que apenas Deus, porque ama infinitamente, conhece plenamente em nós. Reforçada com a imagem passarinhos que, sendo preciosos para o Pai, o seu valor em nada se compara com a humanidade: "Não temais: valeis muito mais do que todos os passarinhos".

A certeza de que Deus nos ama profundamente faz com que todos os nossos medos se dissipem. Por isso, podemos empenhar-nos sem medo na missão que Ele nos confia. E mesmo nas adversidades caminhamos com uma certeza inabalável que nos habita: a certeza de que Deus nos ama e nos quer para Si! E não há nada nem ninguém que nos possa abalar quando edificamos a nossa vida sobre esta certeza inabalável.

sábado, 13 de junho de 2020

Sagrado Coração de Jesus

A solenidade do Sagrado Coração de Jesus convida-nos a contemplar o coração “manso e humilde” de Jesus, no qual podemos encontrar descanso para as nossas almas (cf. Mt 11, 25-30). Ocorre na sexta-feira da semana seguinte à solenidade do Corpo de Deus (este ano a 19 de junho de 2020), sendo todo este mês de junho dedicado à contemplação do Coração de Jesus, trespassado pela lança do soldado, na cruz, como sinal do amor de Deus por nós. Esse coração, donde sai “sangue e água” (Jo 19, 34), é o “lugar” donde nasce a Igreja pelo dom da vida (água - Batismo) e do alimento espiritual (sangue - Eucaristia), continua aberto para nos oferecer os seus dons e nos convidar a partilhar do amor de Deus.

Para a oração, recolhemos aqui a ladainha ao Sagrado Coração de Jesus de São Luís de Monfort:

Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.

Jesus Cristo, ouvi-nos.
Jesus Cristo, atendei-nos.

Pai Celeste, que sois Deus, tende piedade de nós.
Filho, Redentor do mundo, que sois Deus, tende piedade de nós.
Espírito Santo, que sois Deus, tende piedade de nós.
Santíssima Trindade, que sois um só Deus, tende piedade de nós.

Coração de Jesus, Filho do Pai eterno, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, formado pelo Espírito Santo no seio da Virgem Mãe, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, unido substancialmente ao Verbo de Deus, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, majestade infinita, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, templo santo de Deus, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, tabernáculo do Altíssimo, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, casa de Deus e porta do Céu, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, fornalha ardente de caridade, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, receptáculo de justiça e de amor, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, cheio de bondade e de amor, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, abismo de todas as virtudes, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, digníssimo de todo o louvor, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, Rei e centro de todos os corações, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, no qual estão todos os tesouros da sabedoria e ciência, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, no qual habita toda a plenitude da divindade, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, no qual o Pai põe todas as suas complacências, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, de cuja plenitude todos nós participamos, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, desejado desde toda a eternidade, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, paciente e de muita misericórdia, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, rico para todos que vos invocam, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, fonte de vida e santidade, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, propiciação por nossos pecados, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, saturado de opróbrios, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, esmagado de dor por causa dos nossos pecados, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, feito obediente até a morte, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, atravessado pela lança, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, fonte de toda a consolação, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, nossa vida e ressurreição, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, nossa paz e reconciliação, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, vítima dos pecadores, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, salvação dos que em vós esperam, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, esperança dos que morrem em vós, tende piedade de nós.
Coração de Jesus, delícias de todos os santos, tende piedade de nós.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, ouvi-nos Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós.

Jesus, manso e humilde de coração. Fazei nosso coração semelhante ao vosso.

Oremos:
Deus Omnipotente e Eterno, olhai o Coração do vosso dilectíssimo Filho e os louvores e reparações que pelos pecadores vos tem tributado; e aos que invocam vossa misericórdia, vós, aplacado, sede fácil no perdão, pelo mesmo Jesus Cristo que Convosco vive e reina para sempre, na unidade do Espírito Santo. Amen.